Chegando no próximo mês ao catálogo da Netflix, a aguardada série dos Defensores representa a culminação do universo Marvel/Netflix e o primeiro encontro entre os protagonistas nessa saga que está sendo feita desde 2015.

A animação cresceu gradualmente com o passar das temporadas, o início disso tudo foi quando a primeira temporada de Demolidor estreou e fez todo mundo ficar atento a notícias e informações novas que iam saindo. Por conta do sucesso das produções anteriores, Os Defensores é uma das séries mais aguardadas do ano, mas ainda existem razões para nervosismo. O caminho até o encontro dos heróis não foi tranquilo, principalmente por conta das críticas negativas à Punho de Ferro, o que mostrou que nem tudo vai de acordo com o planejamento.

Razões para se animar:

Os personagens coadjuvantes são ótimos

Além dos nossos quatro heróis, a produção também terá uma grande parcela de personagens coadjuvantes de cada série e a lista dos confirmados já é suficiente para fazer você imaginar o quão incrível será:

Foggy Nelson, Karen Page e Stick; Trish Walker, Malcom Ducasse e Jeri Hogarth; Misty Knight; Colleen Wing; e claro, Claire Temple.

Enquanto alguns terão uma participação singela, outros podem ter grande parte com o enredo, principalmente personagens importantes como Misty e Claire.

Colocar todos juntos é um desafio, mas vendo o quanto Simone Missick, Rosario Dawson, Jessica Henwick e Rachael Taylor foram boas em seus papéis, é difícil não são ficar ansioso para vermos mais delas.

Sigourney Weaver é uma excelente escolha

Um herói forte necessita de um vilão tão forte quanto, isso se eleva em quatro em Defensores. Os personagens são todos super poderosos, isso irá levar à um inimigo ainda maior causado pela união do grupo, uma tarefa difícil pelo fato de precisar ser uma ameaça mais terrena.

Então entra Sigourney Weaver.

Enquanto não sabemos muito sobre sua personagem, além do nome Alexandra e que ela é uma total badass, a escolha de Weaver por si só já é animadora.

Ela é a atriz por trás de grandes protagonistas de sci-fi e de ação, e enquanto ela não estiver correndo com uma arma na mão, ela definitivamente tem presença e talento para interpretar uma mulher charmosa e fria que deve se tornar a grande vilã da série.

A qualidade em geral

Há uma grande razão por todos ficarem ansiosos quando o assunto é Marvel/Netflix, e não é só a máquina de expectativa ou ver nossos heróis dos quadrinhos ganharem vida. A verdadeira razão é pela qualidade ser (geralmente) excelente.

Começou com a primeira temporada de Demolidor em 2015, que mudou completamente o ambiente para séries de super-herói, mais tarde o primeiro ano dessa parceria foi completo com Jessica Jones. Apesar de alguns tropeços no caminho, grande parte da segunda temporada de Demolidor foi ótima (o arco do Justiceiro é incrível), e Luke Cage também tem seus momentos (exceto pela decisão horrível de trocar o Boca de Algodão pelo Cascavel).

Existe um tom bem escuro e maduro para esses shows, com o foco em um personagem poderoso, porém defeituoso, vilões aterrorizantes, temas maduros e ótimas cenas de ação. Apesar da reação negativa que Punho de Ferro teve, ainda há esperança que Os Defensores continuem a qualidade excepcional que estamos acostumados, especialmente no primeiro ano da parceria.

São só oito episódios

As vezes, menos é mais.

Se há uma queixa com as séries da Netflix, ou qualquer série de TV em geral, é que elas são muito longas. Na tentativa de esticar a história para 13 horas, você frequentemente se pega em momentos onde o enredo começa a decair e dá pra ver claramente que a narrativa seria melhor contada se a série fosse singelamente menor.

É revigorante e animador que Os Defensores terão apenas 8 episódios para mostrar seu potencial. Enquanto alguns lamentam sobre o time ficar tão pouco tempo juntos, a decisão significa que teremos uma história mais focada e objetiva, sem sofrer do efeito tédio.

Não é necessário muitos personagens para preparar terreno nem progredir muito de seus arcos pessoais, visto que terão novas narrativas solos por vir, então basta unir os heróis, introduzir a ameaça e lançarem eles em uma luta épica.

Heróis se unindo

Existe um fascínio por eventos onde heróis se unem, seja nos gibis, na TV ou nos filmes. Essa é a grande razão pela qual Os Vingadores foi um sucesso absurdo, é o motivo de Liga da Justiça ainda ser atraente apesar das falhas do DCEU, e é por isso que o Arrowverse consegue fazer um crossover de 4 séries durante toda a semana.

Os Defensores não são exceção a isso. Por termos assistido Matt Murdock, Jessica Jones, Luke Cage e Danny Rand em suas histórias solo, em teoria deve haver bastante dinâmica e momentos cômicos ao juntarem os heróis.

Cada personagem tem sua própria personalidade e seu conjunto de poderes, o que deve fazer o time ser bem interessante. Parte da diversão de Vingadores, por exemplo, é a dinâmica da equipe que surgiu por conta dos personagens diferenciados, com seus próprios conflitos internos e laços de amizade surpresa (Como Bruce Banner e Tony Stark) e essa é a razão para ficarmos esperançosos de ter algo que tão bom aqui, mesmo que essas quatro pessoas não sejam do tipo de querer brincar e fazer amigos.

É a culminação de tudo que vem sendo construído

Se você vem assistindo as séries da Marvel/Netflix, há uma grande chance de estar ansioso para Defensores. Enquanto cada produção tem uma parcela de fãs únicos, a grande maioria quer ver como eles se juntam para a formação de algo maior, algo similar à primeira fase da Marvel nos cinemas.

Tem algo muito animador nessa construção de universo. Começou lá em 2013 com o anúncio das séries, e com o tempo passando, chegamos a dois anos e meio, e cerca de 52 horas gastas com as produções. Tudo isso para ficar pronto para o grande evento de união dos personagens, é uma perspectiva de que finalmente vamos ver todo o tempo, investimento e preparação sendo pagos.

Mas por outro lado, também pode ser uma aposta bem preocupante.

Razões para se preocupar:

Queda na qualidade

É, com certeza o universo da Marvel/Netflix ofereceu até agora boas séries, o que é uma razão para se animar. Por outro lado, a aparição de falhas ficou mais frequente.

Enquanto é difícil achar erros em Jessica Jones ou na primeira temporada de Demolidor(com exceção de reclamações relacionadas com o ritmo). As produções de 2016 tiveram problemas que foram muito fáceis de se perceber. Isso não quer dizer que elas não são boas e em certos momentos, ótimas, porque realmente elas eram, mas tinham bastante problemas.

A segunda temporada de Demolidor e seu arco com Elektra e o Tentáculo; Em Luke Cage, os problemas começam a ser maiores quando Cascavel toma o cargo de vilão principal. Obviamente isso não foi o suficiente para tirar o mérito que a Netflix tinha, especialmente por estarem fazendo um bom trabalho (graças a combinação de ótimas cenas de ação e bons atores), mas toda essa turbulência foi a primeira rachadura na impenetrável armadura da Marvel/Netflix.

Isso continuou agora em 2017, quando Punho de Ferro foi o primeiro fracasso legítimo desse universo. Se isso continuar, e a qualidade estabelecida em 2015 se afastar ainda mais, significa que vimos o melhor que as produções poderiam dar? É uma tendência que irá atingir Os Defensores? Essas questões não eram consideradas um tempo atrás, e elas parecem mais pertinentes agora.

Não há garantia que eles irão funcionar juntos

Como já mencionado, colocar esses quatro personagens juntos é o que vende a série, a razão pela qual ela existe e em grande parte, pelo universo da Marvel/Netflix existir. Mas do outro lado da moeda, há desvantagens que podem vir com essa união.

Tão bons quanto Demolidor, Jessica Jones, e Luke Cage são, eles também são bem individualistas. Quando vão resolver algum problema ou salvar alguém, eles preferem fazer isso sozinhos e não se dão bem com outras pessoas (isso não parece ser problema para Danny Rand). Eles conseguiram desenvolver tão bem o herói em seu mundo particular que há um risco em colocarem eles nessa nova dinâmica. Se a diversão é assistir suas histórias individuais, elas serão diminuídas para se tornar parte de algo maior?

Também não existe garantia que eles irão funcionar juntos – como personagens ou atores. Nós sabemos que Krysten Ritter e Mike Colter tem química juntos, mas já faz tempo desde que eles atuaram juntos, e temos pouca base para dizer como os outros irão interagir. Já na questão de personagens, será divertido e interessante ver como eles interagem, mas deve haver um balanceamento nas atuações, para que ninguém fique deslocado. Cada personagem precisa trazer a tona seus elementos chave e não tomar muita atenção para si, para que nos dê a sensação de que são uma verdadeira equipe e não algumas pessoas individuais que por acaso ficam juntas. Não é uma tarefa fácil.

Punho de Ferro foi ruim, e Finn Jones é um dos grandes problemas

Como falado anteriormente, Punho de Ferro é a pior série da Marvel/Netflix até agora. Enquanto grande parte das pessoas colocam toda a culpa em Finn Jones, ainda existem muitos problemas com o roteiro, coreografia e a edição. Talvez se a série tivesse uma equipe técnica melhor, poderia ter evitado alguns desses problemas.

Jones interpreta Danny como se fosse uma criança mimada, ele não tem carisma pra carregar a série, nem presença de cena para fazer um Punho de Ferro convincente. Em teoria, ele pode ser muito melhor em Defensores, já que ele não terá que carregar o peso da série nas costas. Rand pode ser o membro mais jovem dessa equipe de heróis “sérios demais”, e acabar surpreendendo quando estiver no time.

O Tentáculo é maçante

Se formos listar as piores decisões que as pessoas tomaram nas séries, começamos com: Matar o Boca de Algodão, escalar Finn Jones para Punho de Ferro, e abaixo disso, temos a decisão de transformar o Tentáculo em inimigo principal desse universo.

Eles apareceram a primeira vez na segunda temporada de Demolidor, e vieram renovados para Punho de Ferro. Além disso, já tinha ficado claro que eles voltariam em Defensores.

O grande problema disso é que apesar deles serem um culto de ninjas da morte, os produtores conseguiram de alguma forma, fazerem eles serem chatos. Eles não tem uma personalidade palpável, constantemente são espancados pelos heróis sem mesmo sabermos suas identidades e motivações – além de vender drogas e cavar um enorme buraco no chão de Nova York.

Os Defensores devem responder essas questões, mas terão que trabalhar duro para tornar o Tentáculo um vilão interessante.

Essa lista foi traduzida e adaptada do site What Culture.

facebook comments:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here