Em 2004, Brian Michael Bendis e David Finch resolveram que iriam criar uma história que acabaria de forma brutal com Os Vingadores. Com A Queda esse objetivo foi alcançado e hoje faz parte da lista de Graphic Novels da Salvat aqui no Brasil, tendo assim grande importância no universo Marvel.

A história tem como foco principal uma onda de acontecimentos desastrosos na vida dos atuais Vingadores, levando-os a crer que aquele seria o pior dia de cada um deles. O mais legal é que essa pergunta também é uma dúvida do leitor e só é respondida no final de tudo, quando temos cenas com um peso emocional gigante, fazendo com que o leitor se importe pelos personagens e pelos acontecimentos ali mostrados.

É interessante ver que o roteiro trabalha todos os Vingadores juntos, mas ao mesmo tempo dá destaque para cada um deles de forma única, como é o caso de Wanda Maximoff (Feiticeira Escarlate), Homem de Ferro e até mesmo o Gavião Arqueiro, que é o alívio cômico da história. Outro ponto a se destacar é que como ja foi dito no início o arco foi criado para destruir totalmente a formação atual da equipe, ou seja, as mortes e os erros são mostrados de forma impiedosa e realista. Os momentos de batalha, explosões e até mesmo uma suposta invasão Kree são simplesmente fantásticas, com personagens lutando com tudo que tem, um salvando a vida do outro e ainda conta com aparições especiais de Nick Fury, Homem-Aranha, Demolidor e até o Doutor Estranho que se torna um ponto chave no fechamento da trama.

Bendis criou uma história em que o leitor fica sempre preocupado com cada personagem ali mostrado, afinal todos estão em perigo e a qualquer momento um deles pode acabar morrendo. Mas no final do tudo, o intuito da história não é matar todo mundo, afinal isso seria bem sem graça para uma história dos Vingadores, não?? O que deixa tudo tão interessante e importante são as consequências dos problemas causados no fim de tudo.

A arte é mais um grande destaque na história, afinal o trabalho feito por David Finch é simplesmente lindo. O visual dos personagens, as lutas e as grandes explosões (que são muitas aqui) são todas muito bem representadas e conseguem passar bem a mensagem em cada página. Inclusive, há páginas na qual ficamos com vontade de estampar na parede do quarto ou em uma camiseta de tão legal que ficou.

Além de David Finch, há algumas páginas especiais em que os desenhos são do Jack Kirby e é fantástico ver o contraste dos personagens com um traço atual e logo em seguida por ser um “flashback”, os traços serem mais antigos e ainda sim muito bem feitos e cheio de cor.