Criolo é um humilde e espiritual cantor e compositor brasileiro, famoso por músicas como Convoque seu Buda e Não existe amor em São Paulo. Embora seja conhecido pelo Rap, o artista não se limita somente a este estilo musical, tendo composições de samba, bolero, e outros estilos inspirados pela MPB. Reconhecido não só pelos fãs, mas por grandes nomes da música (tais como Caetano Veloso e o Tremendão, Erasmo Carlos), o grande Kleber Cavalcante Gomes – nome de batismo do rapper – é, atualmente, um dos maiores símbolos da música no Brasil, sendo muito conhecido pelo fato de usar críticas sociais em suas letras.

Vindo da periferia paulista, sua carreira musical começou em 1989, sendo que até o ano 2000 era praticamente um fantasma na música. Foi em um show em homenagem a Vinícius de Moraes que as portas do sucesso começaram a se abrir para o Criolo Doido. Em 2007, foi indicado ao Prêmio Hutúz nas categorias Revelação e Melhor Grupo ou Artista Solo. Já em 2008 saiu, merecidamente, vitorioso nas categorias Personalidade e Música do ano no prêmio O Rap é Compromisso.

Criolo desde jovem participava de rodas de Rima, porém, foi em 2011 que, com o álbum Nó na Orelha, que sua carreira cresceu meteoricamente, o mesmo álbum que rendeu a ele o recorde de indicações ao Vídeo Music Brasil 2011.

No fim do ano, Criolo lançou um CD single, com as faixas “Grajauex” e “Subirusdoistiozin”, gravadas em estúdio, com produção de Marcelo Cabral e Daniel Ganjaman. Estará em março no evento que reúne nomes nacionais e internacionais, Lollapalooza.

Mesmo com toda a história de Criolo, você ainda deve estar se perguntando, por que ouvi-lo? A resposta é simples, Criolo cria músicas sensacionais, usando diversas críticas nas letras, que contam com uma batida que prende você.

Curiosamente, foi educador de 1994 até 2000, é também o criador da Rinha dos MC’s, responsável por revelar diversos nomes do Hip Hop e do Rap.

Por fim, pode-se dizer que Criolo é um cantor da época de bossa nova em pleno no nosso tempo. É perfeito para quem gosta de música antiga mesclada com a atual.

“Exemplo não sou, tô longe de ser. Cidadão comum com vontade de vencer” Ainda Há Tempo – Criolo