Suicide Squad

“I started a joke just to conquer sympathy for the Devil.”

 

Um filme de heróis estrelado por vilões (Um minuto de silêncio pra essa confusão mental), uma equipe confusa e sem laços, comandada pelo diabo em forma de gente, com a “liderança” de um militar, que ninguém obedece (São vilões!), e seu maior laço empático é derivado de um exímio atirador de elite do submundo (Exibido…), uma lunática, cujo a única loucura no filme é amar seu “pudinzinho”, um meta humano que é na verdade a mistura de um demônio e um humano, um crocodilo gigante que gosta de TV à cabo, uma mulher com nome de espada que fala com a alma do marido preso à sua espada, um idiota com fetiche por unicórnios(Ahn?!) e bumerangues, e um cara que tem nome de banda sem importância e inútil (Igual a ele).

Tentando ser o mais direto possível, o filme vai de sucesso a fiasco e volta pro sucesso, em um ciclo sem fim, apenas durante suas 2 horas e 10 minutos de duração, suas regravações e edições finais o tornaram uma colcha de retalhos, com grandes furos de roteiro e direção, porém seu maior erro talvez tenha sido o marketing excessivo, e isso será mostrado ao longo dos próximos pontos.

  1. Marketing

O marketing de Suicide Squad ( Esquadrão Suicida), sem dúvidas foi muito bem feito, e bem trabalhado, contudo, não condiz bem com o que foi vendido no filme(Cadê o coringa?), os trailers e demais plots, deram muito enfoque ao Coringa e a Harley (Arlequina), no entanto, esse NÃO é um filme sobre o palhaço do crime, ele não deveria aparecer tanto,  e apesar disso ter sido bem acertado no filme, foi um dos, senão o maior erro do marketing, afinal, o Coringa não faz parte do esquadrão! Fora isso ainda tem a Harley, que apesar de seu foco no filme ter continuado, ainda não chegou nem perto do que foi vendido no marketing (Quem chamou esses caras?!).

 

  1. Roteiro

O filme foi anunciado em outubro de 2014, com um tempo curtíssimo entre a pré-produção e o inicio das gravações(Se fosse uma bala teria acertado o Mercúrio, certeza). David Ayer, diretor e roteirista do filme, escreveu o mesmo em apenas seis semanas e partiu para as gravações, isso se mostra bem claro quando as resoluções da história são oportunas e ficam completamente aparentes. Se durante a saga de Christopher Nolan houve um certo cuidado para disfarçar os vícios de roteiro de David Goyer, esse cuidado se mostra bem ausente em Esquadrão Suicida.

  1. Direção

David Ayer se tornou uma grande referência entre filmes de ação após o aclamado Corações de Ferro, a recepção do longa chamou a atenção da Warner, que logo o contratou para se tornar parte do cinema de quadrinhos. Contudo, já se mostrou uma grande verdade que o homem por trás das câmeras peca na criatividade. A maior parte das cenas foi muito bem executada, com certo destaque para todas as sequências envolvendo a equipe, mas há uma clara quebra de ritmo, que mais faz parecer estarmos a assistir dois filmes diferentes, enquanto o primeiro ato é de um ritmo frenético e alucinante, o segundo ato é extremamente cansativo, chegando até a ser maçante.

4. Edição

Em todas as entrevistas dadas até o momento, os atores têm falado e/ou reclamado de cenas cortadas ou regravadas, e mostrando clara insatisfação com isso, Jared Leto principalmente, tem se mostrado extremamente irritado com isso, declarando que sentiu vontade de deixar de vez o mundo cinematográfico(Coisa que não irá acontecer por que a DC é esperta e tem bons contratos). Mas,  por que isso? Bem, após Batman vs Superman, a Warner se mostrou insatisfeita com a repercussão do filme, e resolveu começar a meter o dedo no seu próximo Blockbuster, Suicide Squad, e o que era pra ser um filme frenético e surtado do começo ao fim, com uma trama pesada e gore, se tornou algo meia boca e sem nada de especial, apenas pela falta de coragem do estúdio de manter o filme do jeito que estava, podando até mesmo sua classificação de idade, descendo-a para PG13.

 

  1. Trilha Sonora

A Trilha Sonora do filme é sem duvidas incrivelmente sensacional, se tornando um dos pontos altos do mesmo. As musicas se encaixam muito bem em determinadas cenas e, logo de inicio, há uma apresentação de cada membro da Força Tarefa X, que mais parece uma (ótima) sequência de clipes musicais, mas funciona muito bem para introduzir o Esquadrão, com destaques no caso da Harley, com a versão original de “You Don’t Own Me”, que ganhou uma releitura modernizada no álbum oficial do filme, e no caso da chegada de Amanda Waller(Viola Davis), com “Sympathy for the Devil”, dos Rolling Stones, mostrando bem como a personagem realmente é. E quanto a trilha orquestral, não há nada de memorável, mas ela é competente nos momentos convenientes.

  1. Personagens

Deadshot

Will Smith se esforçou bastante no papel de Floyd Lawton, e entregou um grande personagem, e embora a Harley seja a personagem central da trama, o protagonista do filme claramente é o Pistoleiro(Deadshot). O personagem é quem possui o maior arco dramático.O personagem tem uma forte utilidade nas cenas de ação e combina bom humor com cenas mais dramáticas. Além disso, é interessante ver sua conexão com o Batman.

Harley Quinn (Dra. Harley Quinzel)

Interpretada por Margot Robbie, a Arlequina(Harley Quinn) é a personagem central do filme. Tudo passa por ela e ela tem um papel fundamental em todo o desenrolar da narrativa. Trata-se de uma adaptação clara da Arlequina do desenho animado do Batman. Margot Robbie entrega uma versão fiel e consistente da personagem. Há uma nítida diferença entre a psiquiatra e a criminosa, além de ficar claro o quanto o Coringa consegue mexer com a mente dela.

Amanda Waller

Amanda Waller é quem realmente manda na coisa toda. Ela é pior do que a equipe, se mostra inescrupulosa e má, é o tipo de diabo que não dá pra ter compaixão.De quebra, Viola Davis entrega umas de suas melhores performances no cinema e fica aquela vontade de saber quais são os seus limites. E embora ela desapareça do filme em dois momentos, sua presença sempre é sentida. Ela é ameaçadora e forte, definindo um papel de destaque nos próximos filmes do Universo DC nos cinemas.

El Diablo

Mesmo não sendo um dos focos de divulgação do filme, o El Diablo se mostra um dos personagens mais interessantes da trama, tendo um arco bem distinto dos outros personagens e se mostra uma força necessária para que haja uma solução na batalha final. O ator Jay Hernadez se mostra bem confortável no papel, e mesmo tendo pouca funcionalidade na ação, especialmente no primeiro ato, há uma boa justificativa para isso.

The Joker

Muito vendido nos trailers e no material de divulgação do filme, o Coringa de Jared Leto chega a ser decepcionante por sua inserção na história, sendo um reles objetivo narrativo que é superado e depois retorna com força.

Katana

Apesar de ser a mais coadjuvante na equipe, por ser a responsável por tomar conta da segurança de Rick Flag, Katana se destaca principalmente, pelas ótimas cenas de ação e pelos detalhes de sua origem nas HQs transpassados para a tela com bastante fidelidade.

É incrível ver a heroína conversando com sua espada, falando com a alma de seu marido, ou então tendo diálogos sarcásticos e afiados antes de passar sua lâmina pela cabeça de alguém.

Rick Flag

Responsável por vigiar todo o Esquadrão e mantê-los unidos, Rick Flag é um personagem que se sobressai na trama, apesar de ser apenas o militar padrão que serve como bússola moral da equipe.

Killer Croc

O Crocodilo é um dos membros do Esquadrão com a melhor concepção visual. A maquiagem funciona muito bem, principalmente por ser apenas prática, sem muito recurso de CGI. Além disso, sua movimentação é interessante e ele possui uma personalidade definida.

Captain Boomerang

Interpretado por Jai Courtney, o Capitão Bumerangue era um dos personagens mais promissores do filme. Seus momentos são bons e algumas piadas dele funcionam bastante. Contudo, ele aparece bem pouco no corte final. Se tivesse um arco próprio ou mais participação nas batalhas, teria sido um dos melhores personagens do filme, principalmente pelo potencial cômico, mas seu papel é bem subestimado.

Enchantress

Interpretada por Cara Delevigne, a Magia é um dos elos mais fracos do filme. Ela é a antagonista principal e em momento algum fica concreto ou sequer claro seu plano ou o perigo que ela passa, embora as motivações(Extremamente pequenas) estejam lá.

Slipknot

Apesar de ter sido vendido nos Trailers e cartazes do filme, ele não tem outra função além de explodir com menos de cinco minutos em tela.

 

  1. Melhores momentos

Alguns dos melhores momentos do filme foram protagonizados pelo Deadshot, interpretado por Will Smith, entre eles vale destacar a cena onde ele toma a frente do esquadrão e de todo o exercito que estava ali, e começa a enfrentar sozinho, os lacaios do irmão de Magia, mostrando toda a habilidade do personagem, e por fim dizendo para Rick, “Esse sou eu correndo”, se referindo a quando Rick lhe disse que ao primeiro sinal de tiroteio ele sairia correndo, por não ter honra. Outro grande momento do filme é a transformação de El Diablo para enfrentar o irmão da Magia, no final do filme. Sem contar a história da Harley Quinn, a “queima de arquivo” feita por Amanda Waller, e claro, a cena Pós-Créditos.

 

  1. Piores momentos

Alguns dos piores momentos do filme, são protagonizados pelo irmão da Magia,  que sequer teve um nome definido, se tornando apenas um brutamontes genérico, que não demonstra nenhuma real ameaça, sendo derrotado por uma pequena bomba, que o pulveriza, sem causar nenhum impacto real, além da morte de El Diablo, que também é outro momento extremamente confuso do filme, afinal ele morre se sacrificando por suam nova “família”, contudo em nenhum momento do filme eles desenvolvem um vinculo real, tornando sua morte incrivelmente piegas. Fora isso ainda temos o romance forçado entre a Dra. June Moon e Rick Flag.

 

  1. Trama

A ideia inicial é até que bem interessante, contudo, foi mal contada. Temos uma péssima sequência em muitos momentos. De cara nos aparece Amanda Waller, aproveitando a morte do Superman, para enfiar (a força) a criação do projeto X. Em seguida começa a apresentação dos personagens ( E que apresentação, aqueles letreiros com a ficha deles ficaram incríveis) nos mostrando também parte de seu passado, mas apenas de alguns. O filme quer que criemos um laço empático, um vinculo com os vilões, mas como isso poderia acontecer se eles não deram um feedback completo deles?! Killer Croc e Katana,não tiveram historia nenhuma apresentada, O Coringa teve a maior parte de suas cenas deletadas ( Isso por que ele foi muito vendido no marketing, imagina se não tivesse sido?), Capitão Bumerangue serviu apenas como uma tentativa de alívio cômico ( Que não deu certo, por que não deram espaço suficiente a ele pra isso), Slipknot apareceu e Kabooom!( Michael Bay adorou essa cena,certeza.) Rick Flag não teve um bom desenvolvimento, (pra um militar, ele foi capturado mais vezes do que o tio Ben morreu,ou seja,um bocado), ele era pra ter sido a voz de comando,o líder do esquadrão, mas acabou se tornando um personagem secundário quase, o que o mantem vivo na trama e seu vinculo com a vilã. Falando nela,Enchantress foi a segunda pior personagem do filme, perdendo apenas pra o seu irmão sem nome, e igualmente sem objetivo, além de um péssimo desenvolvimento enquanto personagem, teve um péssimo feedback, uma péssima motivação, se e que existiu alguma, uma atuação mediana ( Quase empata com a Kristen Stewart em expressão facial), pra não falar que foi totalmente ruim, a adaptação visual da personagem foi muito bem feita, contudo, apenas isso. El Diablo, apesar de não ter um feedback grande,merece uma homenagem, apesar de sua morte ter sido mal feita e não muito impactante. Os únicos personagens que realmente merecem destaque no filme são, o Deadshot, a Harley Quinn e a Amanda Waller, os outros são quase figurantes. E esses são justamente os personagens que salvam o filme do completo fiasco, pois tornam a dinâmica do grupo interessante, alternando entre cenas tocantes e momentos completamente sérios, com uma leve pitada  de piadas, contudo, ainda muito longe do que foi vendido nos Trailers.

 

  1. Vilão

Enchantress(Magia), que foi interpretada pela atriz Cara Delevigne, nem de longe, tem um papel realmente impactante no filme, apesar de ser a Vilã ( Uma vilã num filme estrelado por vilões, MindFuck). E isso se deve a vários fatores, uma atuação particularmente fraca, cenas cortadas, uma história de fundo curta, rápida e sem senso real, um romance forçado com o único mocinho do filme todo, falta de expressão facial ( Teve aulas com a Kristen Stewart, ou o Stephen Amell, por que, sinceramente, uma parede teria mais expressões) uma clara falta de objetivo, deixaram o personagem muito fraco, e como já dito, sem impacto nenhum no filme, mas, vamos detalhar isso. Primeiro, particularmente, achei a escolha da atriz pro papel, uma decisão ruim, ela é uma atriz ruim? Não. Só não tem a experiência necessária para o papel, veja bem, ela é atriz a não muito tempo, e uma vilã, ainda mais uma complexidade da Enchantress, é algo muito difícil de acertar, e todos os papéis dela como atriz, nenhum personagem teve essa complexidade, então, sim, não foi a melhor escolha, mas ainda assim, não a culpo pelo vilão ter sido ruim, ela fez o que pode. Segundo, cenas cortadas, todos já sabem que a Warner está caçando, e está com sede de sangue ( Jack, O estripador, perderia nesses cortes). Terceiro, história de fundo, a personagem, não teve nenhuma história de fundo, a menina vai lá, num templo antigo, quebra uma boneca, é possuída, e fica sem controle, aí o espirito da Enchantress da um “piti” por que não é mais venerada, e resolve quebrar tudo. Quarto, cara, preciso falar mesmo disso? Ficou mais que claro, que o romance entre a Dra. Moon  e Rick Flag, foi extremamente forçado, sem base alguma, ele tá lá numa missão, encontra ela e pá, tô amando. Quinta expressão fácil, bem, essa parte,(eu) não sei se é a cara da Cara(Ba-Dum-Tsss) mesmo ou se é apenas falta de expressividade. Sexto, e mais importante, falta de objetivo, sério, ela se sente ameaçada, resolve procurar seu coração, ai acha o boneco onde o irmão ( Que nem nome tem), tá preso, resolve soltar ele, ai ele começa a quebrar tudo, ela fica fraca por que Amanda esfaqueia seu coração, ai pede ajuda pro irmão, que cede parte de seus poderes pra ela fazer o ritual, por que ele é apenas um brutamontes sem cérebro (Tipo aquele valentão da sua escola).

 

CONCLUSÃO

Suicide Squad é um filme que ainda vale assistir pra se inteirar do universo, contudo, nem de longe é o melhor filme da Warner, muito menos, chegou perto de atingir o que foi prometido, por que o roteiro e a trama original, foram totalmente comprometidos pela Warner (Esperemos a versão sem cortes), há vários erros e pontas soltas no filme, e fora dele também, contudo, ainda se é visualmente interessante em diversos aspectos, um filme,mediano, no melhor dos termos, na minha opinião, de 5 estrelas, eu daria apenas 2,5, pelo esforço ( Ou falta dele).

SUICIDE SQUAD