Chris (Daniel Kaluuya) é um jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose (Allison Williams). A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.”

De inicio Corra pode parecer um filme comum de suspense com terror, porém, ao se aprofundar na trama vemos que há uma poesia por trás de tudo aquilo, algo maior, que envolve preconceito e uma conspiração doentia. Não vem ao caso dizer o por que dos acontecimentos que se sucedem no longa (vamos evitar spoilers), mas também devo lhes dizer que não caiam no carisma dos personagens, todos tem algum segredo, até mesmo o nosso protagonista Chris (Daniel Kaluuya), que apesar de seu sorriso bonitinho e sua educação, esconde algo que será usado contra ele mesmo.

Falando do protagonista, Daniel Kaluuya está cada vez mais se consolidando em Hollywood, após estrelar e escrever alguns episodios em Skins, o ator só voltou aos holofotes com Black Mirror no episódio 50 Milhões de Méritos, atualmente o ator está no elenco de Pantera Negra e, visto o que ele pôde fazer como protagonista em Corra, sua participação no filme do herói com certeza será bem vista. Por outro lado, na linha de atores ainda, temos a péssima participação de Caleb Landry Jones (X-Men Primeira Classe), completamente exagerado e destoante do resto do elenco, apesar de ter a responsabilidade de interpretar um rapaz agressivo, Caleb deixa a imagem de que seu personagem é viciado em violência e tem transtornos de raiva, o que com certeza não é o que o personagem realmente tinha que ser.

Queriam todos ter um inicio de carreira na direção como Jordan Lee tem em Corra, sua direção é ótima, exercitou muito bem o terror psicológico, não abusou de jumpscares e não precisou usar do ocultismo em seu filme. Foi bem mais simples, usou o mistério e o suspense e manteve o pé no chão, dentro da realidade o máximo que pôde. Porém o ultimo ato é completamente diferente de todo o filme, dá a impressão de que foi feito as pressas, resolveu todos os arcos em minutos, com cenas de ação, sangue, armas, carros, fogo, e pra que? O filme estava ótimo dentro da realidade, com certeza não precisava terminar tao ilusório e rápido.

Corra! : Foto Jordan Peele

Mas ainda assim, o longa consegue ser uma surpresa ótima pelo contexto geral, o roteiro é muito bem escrito e sabe usar bem o suspense e o preconceito de forma que não se torne um filme tão pesado, sem precisar se alongar em explicações e conversas complexas sobre racismo. Foi direto ao ponto, sem desrespeitar a importância do assunto mas também sem perder a originalidade em cima de polemicas ou questões sociais. Além disso, a trilha sonora é eficiente, não pontua e nem se sobressai, fica de fundo a maior parte do tempo e cresce nas cenas mais fortes.

  • Marcos Vinicius

    vão fazer ele se alto fuder????????????????????????