Teen Titans: Judas Contract é uma obra da DC Universe Animated lançado em 4 de Abril de 2017 pela parceria com a Warner Home Video. Se trata de uma animação produzida por James Tucker, com história e roteiro de Ernie Altbacker, e JM DeMatteis. A animação possui um pouco mais de uma hora e meia de duração, se tratando de uma continuação para o filme Liga da Justiça VS Teen Titans. Como elenco de voz, o longa trás novamente Stuart Allan, Sean Maher, Kari Wahlgren, Taissa Farmiga, Brandon Soo Hoo, e Jake T. Austin como Robin (Damien Wayne), Asa Noturna (Dick Grayson), Estelar, Ravena, Mutano, e Besouro Azul respectivamente. Novas vozes são introduzidas nesta estreia, como Miguel Ferrer (Exterminador), e  Christina Ricci (Terra).

Quando um portal interdimensional surge a cima dos prédios, uma figura feminina de olhos esmeralda é perseguida por criaturas alienígenas que muito se assemelham a repteis. A primeira formação dos Teen Titans (Flash, Mutano, Robin (Dick Grayson), Speedy, e Abelha) entram em ação para salvar aquela que futuramente seria uma das mais importantes titans que já conhecemos: Starfire. As cenas são clássicas, como o famoso beijo entre Dick e Estelar para que a língua da Terra fosse aprendida pela alienígena. Logo após, temos uma mudança de arco muito rápida, e sem explicações, trazendo em um futuro uma nova formação (e muito conhecida) do que são os Titans. A adição de Ravena, Terra, Besouro Azul, e o atual Robin (Damien Wayne) mostram que uma mudança imensa aconteceu em seu elenco, e agora podemos enxergar que a famosa mansão em forma de “T” agora mais é uma “escola” sendo dirigida por Asa Noturna, o antigo Robin que agora está adulto, e pela própria Estelar que se mostra muito mais madura e com espírito de liderança que os demais.

 

Se torna complicado entender o arco principal nos primeiros vinte minutos de filme, porém quando finalmente os fatos são apresentados, podemos conhecer os Blood Brothers, uma seita religiosa que muito se assemelha ao nazismo antigo, principalmente pela forma de adoração ao seu líder: “Hail Blood!”, se torna uma adoração a uma única figura, e não a um deus ou entidade superior. Fanáticos, parecem seguir cegamente o seu líder ( e vilão principal) do filme, mesmo que não exista um grande desfecho, ou motivo, para estarem ali. O filme se torna mais uma construção pessoal, psicológica, e até de relacionamento entre os Titans do que de fato a construção de uma boa trama. As questões emocionais dos jovens heróis são muito mais abordadas, nos permitindo conhecer mais de cada um deles; assim como a vida dura do que é ser um herói e possuir poderes. O fato é que por vezes o filme se torna vago, permitindo apenas que as cenas de ação possam tapar buracos, afinal de contas é o que nós queremos também, vê-los em ação.

A trama segue quando o Exterminador (o famoso Slade) é contratado pelo Irmão Blood para capturar todos os titãs para o seu propósito pessoal, e trama principal, se tornar um deus. O fato é que Slade, como sempre, rouba todas as cenas se tornando um destaque muito maior do que Irmão Blood poderia ser. Inclusive, o nome do filme está muito mais ligado ao envolvimento de Slade com os Titans, do que de fato a história principal.

O mais interessante é que este mesmo arco já apareceu em Teen Titans, a animação feita pelo Cartoon Network. O mesmo envolvimento de Terra na trama, as traições, o próprio Slade, e até mesmo a paixão do Mutano pela personagem estão presentes, não sendo algo novo para  o universo. A parte boa é o contato direto que temos com os personagens, e a abertura de mitologia que este filme trás. As cenas são boas, bem feitas, principalmente as de ação. É um filme divertido, e apesar dos pesares prende o telespectador também pela parte gráfica, os traços de desenho, novidades de uniformes, e a mescla entre histórias como é o caso de colocar Damien Wayne e Dick Grayson juntos em uma equipe, como uma família. Em uma determinada parte, Damien se refere ao “velho homem”, ou “pai”, quando está em um diálogo com Dick, o que com toda certeza se refere ao Batman. Outras surpresas aparecem no filme, principalmente na parte amorosa dos Titans. Finalmente não precisaremos dizer: ACORDA, MEU FILHO!  Para aquele certo personagem, se é que vocês me entendem. Afinal, agora eles são adultos!

Apesar dos apesares, é um bom entretenimento. Poderia ser melhor? Sim, principalmente na construção de roteiro, vilão, etc. Mas valeu a pena cada minuto, principalmente por se tratar de bons personagens, naquele ar típico de comedia, drama, e ação. Teen Titans: Judas Contract ainda não possui legendas em português, mas devem estar saindo ainda neste mês devido a procura pela animação. Diria que o filme poderia receber nota maior caso alguns pontos fossem referentes, mas creio que um 3.5 é uma boa nota no final das contas. No mais, tenha certeza que a diversão está garantida.

REVIEW OVERVIEW
Roteiro
Dublagem
Direção
Trilha Sonora
Previous articleBalas formam a caveira do Justiceiro em novo pôster da série do anti-herói
Next articleProdutor diz que não teremos The Legend of Conan
Desembargador internacional do Mim Acher, cerveja, games, LEA, BBMP, disg****, baiano, jogador incompreendido de League of Legends. SE O GRAVES PODE TER UM CHARUTO, EU POSSO TER UM CACHIMBO!