Quando um tipo de filme se propõe a certa narrativa por seus trailers e assim anima grande parte do seu público alvo para encontrar essa narrativa no cinema é bastante provável que as pessoas vão ter opiniões diferentes e ideias diferentes sobre aquilo. O problema aqui é quando o tipo de divulgação do filme mente sobre como sua narrativa será contada, de que adianta mostrar trailers alegres, esperançosos, brilhantes e belíssimos se o material real é uma aberração com aneurisma?

Quando eu falo que Guardiões da Galáxia é o melhor filme da Marvel ao lado de Soldado Invernal, eu realmente não tenho medo de dizer isso. Falou que seria simples, e simples ele foi, brilhante, bem dirigido e chamativo, GDG é um dos raros filmes de super heróis que dá um tapa na própria cara e diz “É isso que eu quero fazer e é isso que eu vou fazer“.

E isso não é só coisas de editoras, Esquadrão Suicida da DC supos algo bom e no fim foi uma catástrofe, até mesmo Guerra Civil cai nesse mal, algo sombrio, bem politico, arquitetado e no fim era só mais um filme de porradaria de super heróis. Quando vemos os trailers de GDG recheados de Hooked on a Feeling e todo aquele clima é quase uma mensagem, olha, vamos fazer um filme bobo, alegre, engraçado, divertido, infantil e ao mesmo tempo adulto, com bastante aventura, é isso que você quer?

“Guardiões é bom até a cena da dancinha!”

E no fim de tudo, é isso que acontece.  James Gunn conduz o filme como tudo indicou que seria, até seu terceiro ato, a famosa cena da dança quando Starlord dança sobre os escombros de uma nave caída no intuito de enganar o vilão.

E é um desfecho memorável, que dentro do roteiro é uma das coisas mais redondas e perfeitas. Peter não tem uma moral, uma esperança, ele não é um herói! Os Guardiões não são heróis, são desajustados, criaturas que se encontraram por conta de eventos surreais e no fim estavam lá. O roteiro não precisava mostrar uma super batalha acontecendo, tampouco Peter se envolvendo com Ronan em uma épica batalha… Só The Five Stairsteps com Chris Pratt dançando, Guardiões da Galáxia não tem nada de profundo, meticuloso. É diversão. Fez o que prometeu.  Enfim, Peter não precisou descobrir segredos ou coisas ocultas da vida de Ronan, nomes de mães e afins, só dançar, e tudo se resolve na distração, de forma quase ridícula de boa.

É simplesmente perfeito para um filme que durante todos os seus três atos só mostrou o que eles queriam e fizeram de forma incrível de ser, serem ridículos.